quarta-feira, 24 de novembro de 2010

O TERAPEUTA (poema)


Freud

Pois fica decretado
a partir de hoje
que terapeuta é gente também.
Sofre, chora
ama, sente
e às vezes precisa falar.
O olhar atento,
o ouvido aberto,
escutando a tristeza do outro,
quando às vezes a tristeza
maior está dentro do seu peito.
Quanto a mim,
Fico triste, fico alegre
e sinto raiva também.
Sou de carne e osso
e quero que você saiba isto
de mim.
E agora,
que já sabe que sou gente,
quer falar de você para mim?
Cyro Martins (escritor e psiquiatra gaúcho)