quinta-feira, 13 de outubro de 2011

A IMPORTÂNCIA DO TEMPO DEDICADO PELOS PAIS AOS FILHOS

No dia-a-dia é muito comum ouvir “não tenho tempo”, “a vida é uma correria, é o trabalho, a casa, quase não tenho tempo para os meus filhos”.
Mas faço um questionamento o que é mais importante, a quantidade de tempo ou a qualidade deste tempo?
Papai, mamãe não se preocupe com a quantidade de tempo, mas sim com a qualidade deste tempo!
Para ter uma relação de qualidade com os filhos é imprescindível que os pais ouçam os seus filhos, que os compreendam, que entrem no seu mundo e que partilhem, façam com eles. Que pais e filhos se permitam a uma relação próxima, de intimidade, onde haja empatia, confiança e segurança. Demonstre orgulho, elogie quando as coisas vão bem, pergunte ao seu filho como foi o seu dia, as crianças vão sentir que tem valor, se são estimulados a contar o que aconteceu durante o dia, perguntar como foi seu dia e parar para escutar a resposta não demanda muito tempo.
Comunique-se com seu filho, uma boa comunicação entre pais e filhos exige em primeiro lugar, traduzir o amor, respeito, confiança, atenção e atender as suas necessidades básicas.
Comunicar-se com os filhos é dar apoio, conhecer as suas dificuldades, verificar pelo que eles estão passando, estimulando suas potencialidades, dando liberdades e incentivo, e respeitando os sentimentos da criança.
Não se intimidem com inevitáveis erros, mas privilegiem a intenção sincera do acerto, “não aguardem a maturidade de se tornarem avós para a ousadia da entrega e a sublime missão de construir o futuro.” (Antunes, 1999)
Este texto é parte de um texto que escrevi para uma matéria no Jornal Diário Serrano, edição do dia 12 de outubro de 2011.

Joselaine de Fátima G. Garcia
Psicóloga, CRP07/18433
Especializando em Docência Universitária
Consultório Psicológico em Cruz Alta/RS
Rua Barão do Rio Branco 1701, sala 101
Fone (55) 9167-7928


O adoecimento emocional tem um alto custo, individual e social. Pode causar mortes, ou ocasionar depressões, ansiedades, irritações, insônia e agressividade. Assim como sabotar relacionamentos, destruir famílias, causar perdas de emprego. Precisamos de coragem e humildade para procurar ajuda, de um psicólogo e/ou psiquiatra, quando necessário.