quarta-feira, 14 de agosto de 2013

DON JUANISMO - SEDUÇÃO COMPULSIVA –

Uma das maiores queixas das mulheres em nossos dias, principalmente, as mulheres mais maduras, é de que mesmo que elas se empenhem para a conquista de determinado homem que amam de paixão, não conseguem de seus amados o compromisso de amá-las, e nem que “assumam” as relações. Muitas são conquistadas, e quando se entregam...são mais do que rapidamente abandonadas e ficam frustradas e sós.

Para alguns homens, a busca inquieta pela conquista, toma o lugar da estabilidade na relação. O grande objeto do desejo é a conquista e não o conquistado.

Para aquele que seduz, a concretização da conquista se transforma em monotonia, e desta forma, as relações são rápidas e sem nenhum vínculo afetivo.

Segundo Jung, os efeitos do complexo materno, a princípio positivos, podem gerar distúrbios psíquicos, como o homossexualismo, a impotência sexual e o Don Juanismo.

No homossexualismo, por exemplo, a heterossexualidade do filho fica presa à mãe de forma inconsciente. Já no Don Juanismo, a imagem da mãe é a imagem da mulher perfeita, que não possui defeito e que está sempre de prontidão para atender os desejos do homem.

Esta figura materna, fortemente registrada na psique do homem interfere cada vez  que o portador se apaixona por uma mulher e sente-se atraído sexualmente por ela...e  assim que realiza a conquista.

A conquista é o “lugar” aonde acontece a comparação e toda a paixão desaparece repentinamente deixando a relação vazia e desinteressante.  Neste caso, ele interrompe a relação. Não consegue firmar laços duradouros porque busca a perfeição em todas as mulheres, acabando por encontrar defeitos em todas. Na verdade, este tipo de homem está sempre procurando a imagem da mãe nas outras mulheres. (as vezes a relação com a mãe foi boa demais, gerando a dificuldade da quebra de vínculo no inconsciente).

No entanto, para além da avaliação de Jung, outros fatores são observados no comportamento daqueles que apresentam a síndrome de Don Juan ou Don Juanismo, que não necessariamente afetam somente homens, mas também mulheres (Don Juanismo feminino ou também a ninfomania).

O complexo de rejeição por exemplo, é uma das características que traz consigo o medo ou receio de amar.

Muitos homens maduros, inteligentes, algumas vezes estabilizados profissionalmente, não conseguem de forma alguma entregar-se ao amor de uma única mulher, pois temem inconscientemente o abandono. E desta forma, o comportamento fica sempre no plano da conquista, pois temem o envolvimento afetivo verdadeiro, e o sofrimento que porventura advenha desta relação de compromisso.

Neste caso, conquistar se torna excitante e interessante, porém, a concretização da conquista se torna frustrante e monótona, por significar a necessidade de vínculo, de convivência responsável, de novas “obrigações”, que o remetem ao mal estar. Assim, abandonar o que já foi conquistado, para iniciar nova conquista, significa, liberdade e desprendimento.

O Don Juanismo também pode se manifestar no comportamento como conseqüência do complexo de rejeição, pela via do abandono paterno, ou materno. O medo de nova decepção afetiva empurra a pessoa para longe de se comprometer no amor, como evitação de nova dor.

Outro fator estimulador do comportamento conquistador, é o abuso sexual na infância, apesar de que algumas correntes na psicologia ou na psiquiatria não concordarem que possa haver esta ligação.

Existem ainda, aqueles casos em que a sensação de “amor não finalizado”, faz com que este homem procure desesperadamente em todas as próximas relações, a imagem de sua amada, que o abandonou ou deixou de amá-lo. Isto o estimula a manter a imagem do conquistador, para a preservação de seu ego, porém como existe a comparação latente e sutil, nenhuma mulher conseguirá de fato preencher a lacuna deixada na sua lembrança.

Ao contrário do que se pensa, o portador do Don Juanismo sofre, pois se vê incapaz de criar vínculos relacionais, pois a causa ou o motivo pelo qual ele vivencia este comportamento, não lhe são claras e a sensação interior é de grande vazio experimentado na alma, por não conseguir viver a fundo nenhuma relação.

Tratar a causa pela raiz, é a maneira de encontrar pacificação e coragem para amar em paz e com responsabilidade.

“O amor é o sentimento curativo para a alma de todos os homens”.
Ana D´Araújo
www.anadaraujo.com.br


JOSELAINE GARCIA
Psicóloga e Hipnóloga
CRP 07/18433 e SIAHC 1488
Pós Graduada em Docência Universitária
Hipnóloga credenciada ao Instituto Brasileiro de Hipnologia e
Membro da Sociedade Ibero-Americana de Hipnose Condicionativa
Consultório Psicológico em Cruz Alta - RS

_______________________
Prêmios recebidos

* Psicóloga Destaque Estadual, Prêmio Master Estadual 2013, conforme pesquisa da Empresa Master Pesquisas.
* Psicóloga Destaque Mercosul, Prêmio Master Mercosul 2013, conforme pesquisa da Empresa Master Pesquisas.
Psicóloga Destaque Nacional, Prêmio Master Nacional Integrado 2012, conforme pesquisa da Empresa Master Pesquisas.
* Psicóloga Destaque Municipal 2012, no município de Cruz Alta/RS, Conforme pesquisa da Empresa Exclusiva Pesquisas.
* Consultório de Psicologia destaque na Região Sul do Brasil(RS, PR, SC), Prêmio Master Sul Brasil 2012, conforme pesquisa da Empresa Master Pesquisas.
Consultório de Psicologia destaque Estadual, Prêmio Master Estadual 2012, conforme pesquisa da Empresa Master Pesquisas.
Psicóloga Destaque Estadual 2012, Troféu Master Estadual 2012, conforme pesquisa da Empresa Master Pesquisas.
Psicóloga Destaque Municipal 2012, no município de Cruz Alta/RS, Conforme pesquisa da empresa Ouro Pesquisa e Publicidade.
Psicóloga Destaque Municipal 2011, no município de Cruz Alta/RS, conforme pesquisa da Empresa Sul Pesquisas.