quarta-feira, 2 de maio de 2012

COMPULSÃO ALIMENTAR


Entrevista, na íntegra, concedida a repórter Daniela Lisboa, do Jornal O Jacuí.

 Entrevistada Psicóloga Joselaine Garcia - CRP 07/18433
Psicóloga Joselaine Garcia - CRP 07/18433 


O que é a compulsão alimentar?

Compulsão significa um impulso incontrolável. Existe compulsão para fumar, beber, comer, para comprar, etc. A compulsão alimentar manifesta-se em maior ou menor gravidade. Ela pode apresentar-se nos transtornos do comportamento alimentar, como na bulimia, na anorexia e no transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP).
 A compulsão alimentar periódica (TCAP) é uma das formas incontroláveis de compulsão alimentar. Na TCAP a pessoa come uma quantidade exagerada de alimentos, em um curto intervalo de tempo e não faz questão nenhuma de apreciar o sabor dos alimentos, perdendo o controle sobre o ato de comer. Depois disso, a pessoa tende a sentir-se culpada, triste e arrependida. 

Quais as possíveis causas?

Aqui mais especificamente falando de transtorno alimentar periódico (TCAP) pode-se dizer que esses episódios de compulsão podem ocorrer por diversos motivos, ou seja, têm causas múltiplas.
Alguns fatores físicos, psíquicos e sócios culturais podem ser os motivos desse processo, juntos ou separadamente.
Segundo AZEVEDO et al, 2004, A ansiedade e estresse são os principais fatores que levam ao aumento das compulsões alimentares. Aumentam a secreção de cortisol, que estimula a ingestão de alimentos e o aumento de peso.
Mas cabe aqui ressaltar que cada indivíduo terá sua história pessoal que determinará esse comportamento, mas sejam elas quais forem, a necessidade de se compensar essas situações, estão presentes na grande maioria dos casos.

Quais os sintomas?

ü  Ingerir uma quantidade excessiva de comida, mesmo quando não tem fome;
ü  Comer até se sentir desconfortavelmente cheio ou mesmo agoniado;
ü  Esconder comida para episódios de voracidade;
ü  Comer quando está sob pressão ou se sente psicologicamente diminuído/a;
ü  Sentir-se reprimido, envergonhado e/ou culpado durante e/ou depois de um episódio de voracidade;
ü  Exprimir repugnância em relação a hábitos alimentares, peso, corpo ou aparência;
ü  Expressar descontentamento com a aparência, peso ou auto-estima.


Qual a diferença de compulsão alimentar com relação a outros transtornos alimentares, como a anorexia e bulimia?

O transtorno da compulsão alimentar periódica é bem mais freqüente que a anorexia ou a bulimia, e dificulta a perda de peso. Na TCAP, não existe purgação envolvida, isto significa que não é feita por parte da pessoa qualquer tentativa para se "livrar" do alimento ingerido, como uso de laxantes e/ou diuréticos, vômitos, e/ou exercícios físicos exagerados. No entanto pode haver casos esporádicos de restrição alimentar e tentativas repetitivas de se submeter a dietas de emagrecimento, tendo em vista que a maioria daqueles que sofrem de TCAP encontram-se acima do peso.

Esse comportamento compulsivo pode gerar sérios problemas ao indivíduo, como obesidade e problemas no metabolismo?

Sim, a compulsão alimentar periódica tem como resultado uma serie de implicações tanto físicas quanto emocionais a maioria apresenta sobrepeso e obesidade em graus variados, o que freqüentemente resulta em complicações médicas. Estas complicações incluem doenças cardiovasculares, hipertensão, aumento nas taxas de colesterol e triglicerídeos.
Dentre os problemas emocionais podemos fazer referência à depressão. A manutenção deste comportamento por meses ou anos, intensifica os sentimentos de depressão, raiva, tristeza e solidão
Logo após um ataque de compulsão são comuns os sentimentos de vergonha, culpa, ansiedade, depressão. A sensação física de desconforto gastrointestinal é freqüente e resulta do grande volume de alimento ingerido. A pessoa poderá experimentar, também, sensações de letargia e fadiga.

Qual é a forma de diagnóstico?

Para se fechar um diagnóstico do TCAP, eles devem ocorrer pelo menos duas vezes na semana, por um período mínimo de seis meses, e contando com alguns critérios abaixo: 
1.  comer muito e mais rapidamente do que o normal;
2.  comer até sentir-se incomodamente repleto;
3.  comer grandes quantidades de alimentos, quando não está fisicamente faminto;
4.  comer sozinho por embaraço devido à quantidade de alimentos que consome;
5.  sentir repulsa por si mesmo, depressão ou demasiada culpa após comer excessivamente.

Como acontece o tratamento?

Primeiramente a pessoa tem que reconhecer que existe o problema, é a primeira condição para buscar atendimento e ajuda adequada.
O tratamento compreende uma equipe multidisciplinar como: psicólogo, nutricionista, etc.
É de extrema importância de que no trabalho terapêutico, o sujeito tome conhecimento do porque se desencadeia sua compulsão, os sentimentos presentes, junto com a autoconhecimento e aumento da auto-estima.

 JOSELAINE GARCIA
 Psicóloga - CRP 07/18433
  Hipnóloga
Pós Graduada em Docência Universitária

Credenciada junto  ao Instituto Brasileiro de Hipnologia 
 Membro da Sociedade Ibero-Americana de Hipnose Condicionativa

 Prêmios Recebidos
ü  Destaque Estadual 2012- Psicóloga Destaque Estadual, Troféu Master Estadual 2012, conforme pesquisa da Empresa Master Pesquisas.
ü  Destaque Municipal 2012Psicóloga Destaque 2012, no município de Cruz Alta/RS, Conforme pesquisa pública realizada pela empresa Ouro Pesquisa e Publicidade.
ü  Destaque Municipal 2011 - Psicóloga Destaque 2011, no município de Cruz Alta/RS, conforme pesquisa pública da Sul Pesquisas, realizada no município de Cruz Alta – RS