sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

ENTÃO É NATAL!!!! (...)


E VOCÊ FICA BAIXO ASTRAL NESSA ÉPOCA DO ANO?
Saiba que não está sozinho(a) 



Dezembro tradicionalmente é um mês diferente, a mídia mostra nesta época do ano todo mundo feliz, porém você sente-se triste, angustiado, deprimido, ou seja, você se sente NA CONTRAMÃO DA ALEGRIA? Saiba que o final do ano nem sempre é um período de alegria, é muito comum aumentar os casos de depressão ou agravamento da doença nessa época.

As festas de final de ano são grandes potencializadoras das emoções, o Natal é um período considerado de alegria e esperanças otimistas, determinadas pessoas ficam particularmente felizes, mas um grupo maior fica triste e outro ainda se sente profundamente deprimidos.

Por ser um período onde são potencializadas as emoções, facilmente leva a um quadro depressivo nas pessoas que estão mais fragilizadas emocionalmente, ou podem agravar os sintomas naqueles que já convivem com a depressão, um grande grupo de pessoas vêem tudo negro, perdem as forças físicas e também as esperanças, pode ser uma época muito triste e se fazer acompanhada por sentimentos de solidão, desamparo e desânimo.

Alguns, inclusive, ficam mais incomodados, pois estão se sentindo tristes, embora a mídia mostre todo mundo feliz; e isso leva a um sentimento de inadequação e ingratidão.

Neste período do ano a pessoa que é alegre, fica mais triste, apática, não há nada de errado em ficar triste, a tristeza é uma emoção normal e necessária para qualquer pessoa, ela gera reflexão e isto gera crescimento e evolução, mas devemos ficar alerta, sinais de perigo envolvem transtornos de humor que durem mais de duas semanas, acessos de choro, mudanças no apetite e nos níveis de energia, dificuldades de concentração e até pensamentos sobre morte e suicídio.

A intensidade ou gravidade varia de pessoa para pessoa, em alguns casos os sintomas não são tão severos, mas mesmo assim os indivíduos se sentem tristes. Muitas pessoas ao terminar as comemorações de finais de ano melhoram, no entanto outras o problema pode ser intenso durante o período, podendo levar até mesmo ao suicídio, estudos apontam que a taxa de suicídio nessa época do ano quase dobra. Mas cada caso é um caso.

Caso esse estado de tristeza perdure por mais tempo ou se torne insuportável, se você está se sentindo impossibilitado de executar tarefas do dia-a-dia, está totalmente sem energia, é indicado que consulte um profissional Psicólogo e/ou Psiquiatra imediatamente, não hesite em buscar ajuda profissional, quando o vazio da alma ataca, não é fácil para ninguém.

___________________________ 


Psicóloga Joselaine Garcia
CRP/RS 18.433

Psicóloga Clínica
Hipnóloga Clínica
Hipnoterapeuta  Condicionativa
Hipnoterapeuta   Cognitiva
Especialista em Docência Universitária

Credenciada ao Instituto Brasileiro de Hipnologia
Membro da Sociedade Ibero-Americana de Hipnose Condicionativa
Membro do Latin American Quality Institute

  Colabora regularmente com a imprensa escrita, rádio e televisão.

Psicóloga laureada com diversos prêmios: Internacional, Nacional e Estadual 

CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA EM CRUZ ALTA RS,
Rua Barão do Rio Branco 1701, sala 101  l  Fone : 55.9167-7928

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

PSICÓLOGA E HIPNÓLOGA

Psicóloga Joselaine Garcia oferece tratamento psicológico para adolescentes, adultos e casais.


Desconto para conveniados do IPE


VOCÊ COSTUMA BELISCAR A PELE DO ROSTO?

VOCÊ COSTUMA BELISCAR A PELE DO ROSTO OU ALGUMA PARTE DO CORPO?


CUIDADO, você pode estar sofrendo de uma psicopatologia chamada Skin Picking, também conhecida como Dermatillomania.

Pessoas que têm compulsão por beliscar o rosto examinam-se no espelho por longas horas


DERMATILLOMANIA: consiste em Tocar, Coçar, Cutucar, Arranhar, Furar, Escoriar determinadas regiões da pele, de modo tão intensivo ou repetitivo que acaba provocando o aparecimento de feridas cicatrizes, descolorações na pele.

"Não, eu não tenho acne, câncer, AIDS, um "mal habito", uma doença infecciosa e eu não uso drogas. Eu cutuco a minha pele e isso é um distúrbio real." (fala de um Skin Picking ou Dermatillomaniaco)

“Nós machucamos nossa pele para reduzir a ansiedade, mas ficamos ainda mais ansiosos por causa das visíveis marcas que criamos daí voltamos a machucar para reduzir essa ansiedade, criando um circulo vicioso.”(fala de um Skin Picking ou Dermatillomaniaco)


O ato de beliscar o rosto constantemente também conhecido por dermatillomania é considerado um transtorno do controle do impulso, mas também pode ser pensado como um tipo de transtorno obsessivo compulsivo (TOC) na medida em que ambos envolvem “engajamento em comportamentos repetitivos, com diminuição do controle” e também de modo geral diminuir a ansiedade.

Dermatillomania pode causar sensação de intensa culpa e vergonha nos indivíduos que possuem esta doença, e isso aumenta muito o risco de danos em si.

Como uma desordem do controle de impulso. Indivíduos com o problema não sabem que estão beliscando sua pele, é um ato completamente inconsciente. Eles fazem isso, normalmente, por três MOTIVOS: porque o ato de beliscar a pele tem efeito relaxante, porque eles têm necessidade de estímulo ou porque são perfeccionistas. Existem duas formas de TRATAMENTO: MEDICAÇÃO E PSICOTERAPIA.

Na Psicoterapia várias técnicas podem ser utilizadas para tratar a compulsão de beliscar a pele, dentre as técnicas podemos citar: A técnica de terapia reversa, o auto-monitoramento, a terapia de controle de estímulos e hipnoterapia podem ser usadas.

 Joselaine Garcia
CRP/RS 18.433

Psicóloga Clínica
Hipnóloga Clínica
Hipnoterapeuta  Condicionativa
Hipnoterapeuta   Cognitiva
Especialista em Docência Universitária

Credenciada ao Instituto Brasileiro de Hipnologia
Membro da Sociedade Ibero-Americana de Hipnose Condicionativa
Membro do Latin American Quality Institute

  Colabora regularmente com a imprensa escrita, rádio e televisão.

Psicóloga laureada com diversos prêmios: Internacional, Nacional e Estadual 

CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA EM CRUZ ALTA RS,
Rua Barão do Rio Branco 1701, sala 101  l  Fone : 55.9167-7928


sexta-feira, 27 de novembro de 2015

FERIDAS EMOCIONAIS

As experiências dolorosas que se desenvolvem ao longo de nossas vidas modelam nossas feridas emocionais. Estas feridas podem ser diversas e advêm de muitas maneiras: abandono, rejeições, decepções, erros, perdas, sentimentos de culpa, conflitos nos relacionamentos, críticas e crises profissionais.

As feridas emocionais, de uma forma ou de outra, estão ligados à violência que é cometida contra o ser humano de forma sutil e silenciosa. Elas podem ter consequências nas várias etapas da existência humana.

Essas experiências dolorosas podem gerar maturidade ou angústia, segurança ou traumas, líderes ou vítimas. Algumas pessoas conseguem livrar-se de eventos traumáticos melhor do que outros.

Quando somos magoados, vivemos constantemente situações que tocam a nossa dor e nos fazem colocar várias máscaras por medo de reviver o sofrimento. Porém,  devemos tomar consciência delas e evitar maquiá-las, porque quanto mais tempo você esperar para curá-las, mais elas podem agravar. 

Normalmente tentamos esconder a ferida que mais nos faz sofrer porque temos medo de encará-la de frente e reviver a nossa dor. Isso nos faz usar “máscaras” e agravar as consequências do problema que temos, pois deixamos de ser nós mesmos.

Curar uma ferida denota aceitá-la, observá-la cuidadosamente e saber que ter situações dolorosas a resolver é parte da experiência humana.

O ideal é livrar-se dessas máscaras o mais rápido possível, sem críticas ou julgamentos, pois isso permitirá identificar como devemos tratar as nossas feridas, os nossos traumas para, assim, curá-las definitivamente.

Você pode tirar a máscara em um dia, ou levá-la consigo durante meses ou anos.


No entanto, devemos tomar consciência delas e evitar maquiá-las, porque quanto mais tempo você esperar para curá-las, mais elas podem agravar. As feridas emocionais (os traumas) podem afetar o funcionamento cognitivo, a saúde física e as relações interpessoais.

Joselaine Garcia
CRP/RS 18.433

Psicóloga Clínica
Hipnóloga Clínica
Hipnoterapeuta  Condicionativa
Hipnoterapeuta   Cognitiva
Especialista em Docência Universitária

Credenciada ao Instituto Brasileiro de Hipnologia
Membro da Sociedade Ibero-Americana de Hipnose Condicionativa
Membro do Latin American Quality Institute

 Colabora regularmente com a imprensa escrita, rádio e televisão.

Psicóloga laureada com diversos prêmios: Internacional, Nacional e Estadual 

CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA EM CRUZ ALTA RS,
Rua Barão do Rio Branco 1701, sala 101  l  Fone : 55.9167-7928

terça-feira, 24 de novembro de 2015

FELICIDADE É SAÚDE EMOCIONAL

O Ser feliz só depende de nós, tudo passa por nós, somos gestores de nossa própria vida, é preciso controlar como você pensa e age, sem se abalar com os problemas que surgirem pelo caminho. 

Conforme (Aerts e Ganzo) A felicidade possível vive dentro de cada um, ela é singular, própria, particular, caleidoscópica e inadiável, a cada momento. Felicidade é saúde emocional vai depender, muitas vezes, da qualidade de vida psicológica de uma pessoa, depende dos tipos de vínculos que ela estabelece no início de sua vida com seus modelos (mãe, pai e/ou cuidadores). Estes vínculos são importantes para a formação da estrutura da personalidade, o que acaba influenciando a forma que administramos nossa vida.

Cabe salientar que ser feliz, não é unicamente a efetivação de todos os nossos desejos, mas sim, o conhecimento de nossas reais possibilidades e aceitação dessas, porém aceitarmo-nos não significa nos acomodar, precisamos conhecer nossas limitações e respeitá-las, mas nunca abdicar ao desejo de nos aprimorar.

O autoconhecimento é o melhor caminho, pois à medida que você se conhece, e começa a agir de modo coerente entre o sentir, pensar e agir, começa também a se respeitar muito mais, com isso, começa a se admirar e se amar.

O Homem foi à lua, viajou pelo espaço, todavia ainda não alcançou a plenitude, a felicidade, porque não teve  a bravura de realizar a viagem interior.


Psicóloga Joselaine Garcia
CRP/RS 18.433

Psicóloga Clínica
Hipnóloga Clínica
Hipnoterapeuta  Condicionativa
Hipnoterapeuta   Cognitiva
Especialista em Docência Universitária

Credenciada ao Instituto Brasileiro de Hipnologia
Membro da Sociedade Ibero-Americana de Hipnose Condicionativa
Membro do Latin American Quality Institute

  Colabora regularmente com a imprensa escrita, rádio e televisão.

Psicóloga laureada com diversos prêmios: Internacional, Nacional e Estadual 

CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA EM CRUZ ALTA RS,
Rua Barão do Rio Branco 1701, sala 101  l  Fone : 55.9167-7928

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

ANOREXIA


A anorexia não é uma mania, nem um comportamento: é uma doença, uma doença caracterizada por uma perda voluntária de peso, motivada por um desejo patológico de emagrecer aliada a um medo intenso de engordar.  

A perda de peso é conseguida através dos mais diferentes comportamentos: Redução da alimentação, especialmente com relação aos alimentos que contem um maior numero de calorias, exercício físicos intensos, utilização de medicamentos (redutores do apetite) e/ou laxantes/diuréticos, Vômitos provocados.

Desta forma, se produz uma desnutrição progressiva, aliada a transtornos físicos e mentais que podem ser muito graves, inclusive levando a morte.

OS PAIS DEVEM FICAR ATENTOS AOS SEGUINTES SINAIS:

- Peso muito abaixo do normal para a idade;
- Imagem distorcida de si (sindrome do espelho invertido) a pessoa se vê muito gorda, embora esteja magérrima;
- Dietas muito radicais, a pessoa anorexica passa a comer muito pouco ou nada come;
- Sempre dizem que não estão com fome;
- Dificilmente sentam-se a mesa com a família para as refeições;
- Comem muito devagar e picam muito bem os alimentos;
- Seus assuntos principais são: dietas e alimentação;
- Fazem muito exercicio físico, muitas vezes na madrugada;
- Isolamento da familia e amigos
- Frio excessivo
- Sono excessivo
- Lanugo (o corpo fica coberto com uma penugem fina)
- Amenorréia (falta de menstruação) pelo menos 3 ciclos
- Queda de cabelo  
- Mudanças bruscas de humor (irritabilidade, agressividade, impulsividade).Também pode passar por momentos de muita tristeza, apresentando sentimentos de culpa e baixa auto-estima
- Mentem sobre ter ou não comido, podem “esconder” a comida e depois joga-la fora.
- Insônia  
- Podem começar a apresentar problemas de relacionamento com outros membros da família, especialmente a figura materna (ligada à alimentação).
- dissimular os supostos defeitos físicos (quadris largos, abdômen, etc.).Posteriormente sua
- Freqüentemente se vestem com roupas largas e sobrepostas, cuja função a principio é função passa a ser a dissimulação da magreza extrema. Tem dificuldade em se vestir e escolher roupas, sempre buscando esconder o seu corpo cada vez mais magro, sob camadas de roupas, ex: calças de moletom, embaixo das calças jeans.

IMPORTANTE:

A presença de um ou mais sinais não indica necessariamente que a pessoa sofra de algum tipo de distúrbio alimentar.  Por isso não rotule antecipadamente.


Observe sua filha(o) durante um tempo antes de tomar conclusões precipitadas. Caso você não perceba alterações no quadro, procure um profissional.

Psicóloga Joselaine Garcia
CRP/RS 18.433

Psicóloga Clínica
Hipnóloga Clínica
Hipnoterapeuta  Condicionativa
Hipnoterapeuta   Cognitiva
Especialista em Docência Universitária

Credenciada ao Instituto Brasileiro de Hipnologia
Membro da Sociedade Ibero-Americana de Hipnose Condicionativa
Membro do Latin American Quality Institute

   B L O G U E I R A -    Blog: http://joselainegarcia.blogspot.com.br/

Colabora regularmente com a imprensa escrita, rádio e televisão.

Psicóloga laureada com diversos prêmios: Internacional, Nacional e Estadual 

CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA EM CRUZ ALTA RS,
Rua Barão do Rio Branco 1701, sala 101  l  Fone : 55.9167-7928


domingo, 8 de novembro de 2015

RASGUE TODOS OS RÓTULOS QUE ESTÃO GRUDADOS EM VOCÊ.

Na infância precisamos ser reconhecidos e valorizados, caso isso não ocorra poderemos atingir a vida adulta e nos transformamos em pessoas co-dependentes, Somos condicionado a aceitação dos outros.  Tombamos na emboscada de pensar: “sem você eu não vivo”.

Viver com dúvida, com medo, desmotivado é o saldo de uma existência sem sonhos, sem planos nem metas.

Pessoas inseguras sentem que os anos estão passando e que a vida lhes escapa por entre os dedos. 

Todos trazem uma imagem de si, e essa imagem configura o que chamamos de autoestima, que poderá ser positiva ou negativa conforme a maneira como nos percebermos, nos olharmos e nos descrevermos.

Para começar a mudar a forma de ver, comece ignorando todos os comentários negativos que você ouviu sobre si desde a infância, difícil??? Quem disse que seria fácil, mas é uma questão de prioridade, hoje a prioridade é você, comece mudando seu pensamento. 

Ninguém é nada.  As pessoas não são, elas apenas se comportam.  Você pode ter se comportado de maneira indevida uma ou outra vez, mas você é muito mais do que aquele comportamento.  Não se rotule.  Rasgue todos os rótulos negativos que estão grudados em você.  Reinvente-se.  Você não é o que é;  você é quem você pensa que é.  E, este pensamento sobre si mesma você pode mudar a qualquer momento.  Sempre somos livres para pensarmos o que quisermos.  Você é, e todos somos, livres para sairmos de onde estamos e chegar aonde quisermos.

Dependendo do seu grau de insegurança e de ansiedade, se está limitando a sua vida e trazendo perda na qualidade de vida minha recomendação é: Procure também um profissional da área (psicólogo), que ajudará a remover as causas da sua ansiedade e também de sua falta de autoestima. 
Há obrigatoriamente uma escolha em tudo o que faz, por isso, tenha em mente que, no final, a escolha que você faz, é o que faz você.

Você é a responsável pelos seus sofrimentos!


Procure um psicólogo(a) de sua confiança, faça uma consulta e decida pelas suas mudanças emocionais. Quando aprendemos a simplificar as coisas e ver seu verdadeiro valor, a vida se torna mais prazerosa, mais gostosa de ser vivida

Psicóloga Joselaine Garcia
CRP/RS 18.433

Psicóloga Clínica
Hipnóloga Clínica
Hipnoterapeuta  Condicionativa
Hipnoterapeuta   Cognitiva
Especialista em Docência Universitária

Credenciada ao Instituto Brasileiro de Hipnologia
Membro da Sociedade Ibero-Americana de Hipnose Condicionativa
Membro do Latin American Quality Institute

   B L O G U E I R A -    Blog: http://joselainegarcia.blogspot.com.br/

Colabora regularmente com a imprensa escrita, rádio e televisão.

Psicóloga laureada com diversos prêmios: Internacional, Nacional e Estadual 

CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA EM CRUZ ALTA RS,
Rua Barão do Rio Branco 1701, sala 101  l  Fone : 55.9167-7928

É PRECISO ABANDONAR A META IMPOSSÍVEL DE “SER PERFEITO”.

Nenhuma pessoa desabrocha se a crítica a si mesmo (a) não perdoa a menor falha.

Para muitas pessoas, é difícil conviver com os seus defeitos e as fraquezas.

Mas quem disse que a perfeição é o interruptor da felicidade? Você pode ser feliz sem ser perfeita (o).

Boa parte das pessoas tem dificuldade em lidar com as falhas em geral. Nós nos avaliamos com mais rigor do que avaliaríamos outra pessoa. Deixamos que nossas pequenas falhas ofusquem nossas muitas realizações.
Como se liberar das exigências exageradas e se aceitar da forma que você é, como silenciar o julgador que nos golpeia com o martelo da intransigência e da rigidez?

É preciso, primeiramente, valorizar o que de bom possuímos e a avaliar se nossas expectativas de performance são realistas ou um tanto ou quanto ilusórias.

Cabe igualmente examinar como estamos nos percebendo em relação a nós mesmas (os). A autoestima é uma edificação perene, fundamentada em valores afetivos, morais, educacionais e intelectuais.

Muitas vezes a qualidade de vida psicológica de uma pessoa depende dos tipos de vínculos que ela estabelece no início de sua vida com seus modelos (mãe, pai e/ou cuidadores). Estes vínculos são importantes para a formação da estrutura da personalidade, o que acaba influenciando a forma como nos percebemos, a nossa auto aceitação, a autoestima enfim a forma que administramos nossa vida.

No entanto, essa maturação é lenta, e hoje somos vitimas do imediatismo, é preciso controlar a ansiedade de querer ser melhor do dia para a noite, o que é irreal, pois para haver amadurecimento emocional, auto aceitação é imprescindível autoconhecimento.

Quando a pessoa passa a se orgulhar de si mesma, consegue se gostar e se perdoar, isso acaba refletindo em vários aspectos da vida. No entanto, cabe salientar que aceitarmo-nos não significa nos acomodar, precisamos conhecer nossas limitações e respeitá-las, mas nunca abdicar ao desejo de nos aprimorar.

A rejeição de si próprio, a ausência de autoestima faz com que sejamos carrascos de nós mesmos. Ser eu mesma (o) é o núcleo de uma vida saudável. "aceite-se"!

Auto aceitação é capacidade de tolerar as falhas. Enfim, não ser tão rigorosa (o) consigo mesma (o).

APRENDA A GOSTAR DE SI MESMA (O)! AFINAL, VOCÊ É ÚNICA (O).


Você é a responsável pelos seus sofrimentos!

Procure um psicólogo(a) de sua confiança, faça uma consulta e decida pelas suas mudanças emocionais. Quando aprendemos a simplificar as coisas e ver seu verdadeiro valor, a vida se torna mais prazerosa, mais gostosa de ser vivida

Psicóloga Joselaine Garcia
CRP/RS 18.433

Psicóloga Clínica
Hipnóloga Clínica
Hipnoterapeuta  Condicionativa
Hipnoterapeuta   Cognitiva
Especialista em Docência Universitária

Credenciada ao Instituto Brasileiro de Hipnologia
Membro da Sociedade Ibero-Americana de Hipnose Condicionativa
Membro do Latin American Quality Institute

   B L O G U E I R A -    Blog: http://joselainegarcia.blogspot.com.br/

Colabora regularmente com a imprensa escrita, rádio e televisão.

Psicóloga laureada com diversos prêmios: Internacional, Nacional e Estadual 

CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA EM CRUZ ALTA RS,
Rua Barão do Rio Branco 1701, sala 101  l  Fone : 55.9167-7928

PSICOTERAPIA, TRANSFORMA PESSOAS PARA O GRANDE VOO DA VIDA

A borboleta é considerada um símbolo de transformação e de um novo começo.

 O termo grego psyche tinha dois significados originalmente. Um deles era alma e o outro borboleta, na simbologia "borboleta" significa: transformação, alma, libertação, sorte, sensualidade, psique.

 Analisando todo o ciclo de vida de uma borboleta, percebemos o significado de afirmação do poder que a psique tem de recriar continuamente sob novas formas.

As borboletas nos mostram as mudanças dramáticas que percorrem para um novo modo de ser, ao mesmo tempo em que refletem a beleza e alegria das conquistas após o perí­odo de transição. Da mesma forma, o processo de auto-renovação do indiví­duo pode ser lento e difícil, mas tem como objetivo o renascimento e a segurança para se poder voar pela vida.

Na vida somos assim: todos temos nossos momentos e dificuldades, todos entramos em nossos casulos e precisamos aprender, por nós mesmos, a sair deles. Não há quem possa fazê-lo em nosso lugar, mas podemos ter auxí­lio e suporte nesse estágio tão frágil e muitas vezes doloroso da vida.

O processo de transformação, de mudança, envolve escolhas, perdas, aceitação. Antigos padrões muitas vezes resistem limitando nossas possibilidades e reduzindo nosso potencial para o crescimento, ou seja, precisamos: Criar, transformar, mudar e ter coragem para aceitar!

Ao falarmos em psicoterapia, falamos nesse suporte, suporte para  um movimento, para uma transformação, para um bater de asas. O indiví­duo precisa entrar em contato consigo, com seu inconsciente, seus medos, seus sonhos, enfim, com seu eu mais í­ntimo; ele precisa desse estado de introspecção para seguir em frente, firme e feliz.

Há pessoas que não conseguem fluir para a vida, ter forças suficientes para levantarem vôo ou abandonarem seu casulo.
O medo do desconhecido que costuma acontecer em quase toda mudança, muitas vezes as impede de seguir em frente. Não adianta abrir o casulo para facilitar o vôo da borboleta. Isso apenas a impede de desenvolver a força necessária para poder bater suas asas.

Nós Psicólogos damos suporte a quem nos procura, com isso levando o sujeito a aprender a voar com as próprias asas e estar preparado para todos os ventos. Só é necessário que haja disposição.

 “Algo simples como o vôo de uma borboleta pode causar um tufão do outro lado do mundo”


Essa é a Teoria do Caos, quer dizer que tudo que fazemos, por mais simples que seja, sofre alteração de um resultado de forma surpreendente, e assim é o trabalho do psicólogo, há alteração de um resultado de forma surpreendente.

Psicóloga Joselaine Garcia
CRP/RS 18.433

Psicóloga Clínica
Hipnóloga Clínica
Hipnoterapeuta  Condicionativa
Hipnoterapeuta   Cognitiva
Especialista em Docência Universitária

Credenciada ao Instituto Brasileiro de Hipnologia
Membro da Sociedade Ibero-Americana de Hipnose Condicionativa
Membro do Latin American Quality Institute

   B L O G U E I R A -    Blog: http://joselainegarcia.blogspot.com.br/
 Colabora regularmente com a imprensa escrita, rádio e televisão.

Psicóloga laureada com diversos prêmios: Internacional, Nacional e Estadual 

CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA EM CRUZ ALTA RS,
Rua Barão do Rio Branco 1701, sala 101  l  Fone : 55.9167-7928

terça-feira, 13 de outubro de 2015

NOMOFOBIA - DOENÇA CIBERNÉTICA


Vamos ver hoje uma das doenças cibernéticas a nomofobia

A nomofobia (medo de ficar sem telefone móvel) - é o aumento acentuado da ansiedade que algumas pessoas sentem quando são separadas de seus telefones, ou seja, é a ansiedade que surge por não ter acesso a um dispositivo móvel.

Sabe aquela horrível sensação de estar desconectado quando acaba a bateria do seu celular e não há tomada elétrica disponível? Para algumas pessoas, há um caminho neural que integra espontaneamente essa sensação desconfortável de privação tecnológica a um acentuado ataque de ansiedade.

Dessa forma, quando essas pessoas se vêem impedidas de se comunicar, sem o telefone celular, elas começam a apresentar a nomofobia. Para as pessoas com nomofobia, ficarem impossibilitadas de utilizar a tecnologia celular pode causar ansiedade e/ou falta de ar, tonturas, tremores, suores frios, batimentos cardíacos acelerados, dor no peito e até ataques de pânico.

Estas pessoas não conseguem imaginar sair à rua sem o telefone celular, e caso se esqueçam voltam atrás para o ir buscar. É, também, comum largarem o que estão a fazer para atender o telefone celular.
Em situações mais graves, este problema pode afetar os relacionamentos interpessoais, havendo um distanciamento do mundo real e conseqüentemente um maior isolamento.

O termo é muito recente e começou a ser conhecido quando o instituto Yougov fez uma pesquisa para os correios britânicos e verificou que mais de 50% da população britânica é possuidora de telefone móvel. A palavra nomofobia surgiu na Inglaterra a partir da expressão “No Mobile Phobia” que significa a fobia de ficar sem telefone celular.

OS PRINCIPAIS SINAIS DE NOMOFOBIA SÃO:
-       a incapacidade de desligar o telefone;
-       estar sempre olhando para o visor do celular, não se desligar do telefone nem um minuto;
-       a tentativa constante de aumentar a vida da bateria;
-       Ser incapaz de sair ou até mesmo ir a banheiro sem levar o telefone celular.

Não se assuste se você se encaixar, em todo caso, se notar que os níveis são alarmantes, a dica é procurar um especialista.

Psicóloga Joselaine Garcia
CRP/RS 18.433

Psicóloga Clínica
Hipnóloga Clínica
Hipnoterapeuta  Condicionativa
Hipnoterapeuta   Cognitiva
Especialista em Docência Universitária
Membro do Latin American Quality Institute

  Psicóloga laureada com diversos prêmios: Internacional, Nacional e Estadual 

CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA EM CRUZ ALTA RS,
Rua Barão do Rio Branco 1701, sala 101  -  Fone : 55.9167-7928



sexta-feira, 9 de outubro de 2015

DEPENDÊNCIA DIGITAL

Vício em internet e eletrônicos pode ser tão grave quanto a dependência química.

Facebook, Instagram, WhatsApp, RPG, etc … As tentações virtuais são várias e nascem a uma velocidade difícil de acompanhar. O uso abusivo de tecnologia é um transtorno que chega de forma silenciosa. Sem perceber, as pessoas passam a priorizar a vida online.

O vício digital é assunto sério. No manual americano de diagnósticos psiquiátricos, a dependência de internet já é vista oficialmente como transtorno mental e requer tratamento específico com terapia e remédios.

DENTRE AS CATALOGADAS OFICIALMENTE TEMOS:
Nomophobia, Síndrome do toque fantasma, O efeito Google, Náusea Digital (Cybersickness), Cibercondria ou hipocondria digital, Depressão do Facebook, Transtorno de Dependência da Internet, Vício de jogos on-line, 


A adição vem acompanhada de algumas características que diferenciam o uso normal do prejudicial. Para diagnosticar, não basta saber quanto usa, mas como usa.

O uso dessas plataformas vira problema quando, passa haver perda de interesse social, no momento em que o indivíduo começa a negligenciar atividades do cotidiano por preferir interagir com a plataforma digital.

O tempo que o individuo fica online, ligado nessas plataformas, é um marcador importante, mas não determinante. Dificilmente, vai ter alguém com dependência que jogue só duas horas por dia, mas nem todo mundo que joga muito vai ter prejuízo.

Outro fator importante a ser observado é o rendimento escolar, os pais devem ficar atentos ao rendimento escolar, que costuma despencar. “Esse é um dos primeiros sinais a aparecer. A criança ou o adolescente ficam com muito sono, pois passam a madrugada no computador, tablet ou no celular.

Sinais da dependência

Itens que referem se o uso excessivo está migrando para o que se chama de uso patológico.

1) Apreensão excessiva com a internet
2) Necessidade de aumentar o tempo online para ter a mesma satisfação
3) Exibir esforços repetidos para diminuir o tempo de uso da tecnologia
4) Apresentar irritabilidade ou depressão
5) Quando o uso da internet é restringido, apresentar instabilidade emocional
6) Ficar mais conectado do que o programado
7) Ter trabalho e relações sociais em risco
8) Mentir a respeito da quantidade de horas conectado

Porém, o diagnóstico caseiro é insuficiente para confirmar a dependência, só um especialista pode determinar o grau de compulsão. 

O vicio digital trás serias conseqüências, os dependentes não conseguem controlar seu envolvimento e seu uso com a vida real e social, o que pode além do isolamento provocar desconforto emocional, ansiedade, agitação, irritabilidade, depressão, perturbação, toc (transtorno-obsessivo-compulsivo) o uso excessivo das plataformas tecnológicas prejudica, também, a qualidade do sono, o que leva a problemas cardiovasculares, doenças endócrinas, como diabetes e obesidade, além de envelhecimento precoce.

Quem desenvolve a dependência já apresenta alguma carência. Torna-se indiferente ao convívio social e familiar. Busca no isolamento a solução de suas carências, o vício nasce do acolhimento encontrado no universo “imaginário” do outro lado da tela.

Família e amigos são fundamentais para a cura da dependência 

A conivência dos pais, a falta de limites, dificultam o tratamento. Em determinados casos, é necessário tomar atitudes mais firmes, a ideia é introduzir o mínimo de ordem na casa. Não quer dizer jogar o celular, tablet ou computador  pela janela, mas determinar limites, tempo e se se necessário proibir o uso. É comum durante o período de abstinência, o descontrole emocional da pessoa, que pode ficar agressivo, mas é necessário mostrar autoridade.

Psicóloga Joselaine Garcia
CRP/RS 18.433

Psicóloga Clínica
Hipnóloga Clínica
Hipnoterapeuta  Condicionativa
Hipnoterapeuta   Cognitiva
Especialista em Docência Universitária
Membro do Latin American Quality Institute

Psicóloga laureada com diversos prêmios: Internacional, Nacional e Estadual 

CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA EM CRUZ ALTA RS,
Rua Barão do Rio Branco 1701, sala 101  l  Fone : 55.9167-7928